Adultização infantil: um fenômeno social contemporâneo investigado na Educação Infantil

Cynthia Ferreira de Lira, Hugo Monteiro Ferreira

Resumo


Este texto é o excerto de uma pesquisa maior intitulada: “A criança em tempos de adultização, reflexões transdisciplinares na Educação Infantil”, vinculada ao Programa de Pós-Graduação do Mestrado Profissional em Educação da Universidade de Pernambuco. Temos como objetivo geral investigar a adultização nas brincadeiras das crianças da Educação Infantil. Nossa investigação se preocupa com um fenômeno social contemporâneo nominado por adultização infantil. Para nós, pensar nesse fenômeno é o mesmo que pensar no possível desaparecimento do sentimento de infância. A problemática investigada busca saber: A adultização infantil está presente nas brincadeiras das crianças escolares? Para refletir esse fenômeno, articulamos a história social da infância, relacionando o Período Medieval à Contemporaneidade. De um ponto de vista metodológico, nossa pesquisa tem as seguintes características: é de natureza teórica e empírica, utiliza a abordagem qualitativa e uma metodologia amparada nos fundamentos da pesquisação. Optamos pelas entrevistas individuais/grupais e observação participante como técnicas de coleta dos dados.


Palavras-chave


Adultização, Infância, Educação Infantil

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRÉ, Marli Eliza. Etnografia da prática escolar. São Paulo: Papirus, 2012.

ARENHART, Deise. Culturas infantis e desigualdades sociais. Rio de Janeiro: Vozes, 2016.

ARIÉS, Phillippe. História social da criança e da família. Rio de Janeiro: LTC, 2014

BAUER, Martin W. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2014.

BRASIL. Constituição, 1988.

______. Estatuto da criança e do adolescente: Lei Federal nº 8069, de 13 de julho de 1990.

______. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDB Lei nº 9394/96.

ELKIND, David. Sem tempo para ser criança: a infância estressada. Porto Alegre: Artmed, 2004.

HÉRBERT. Michele Lessard. Investigação Qualitativa – Fundamentos e práticas. Lisboa: Instituto Piaget, 1990.

MARTINS FILHO, José. A criança terceirizada: os descaminhos das relações familiares no mundo contemporâneo. São Paulo: Papirus, 2009.

MOREIRA, Daniel. O método fenomenológico da pesquisa. São Paulo: Pioneira Thomson, 2002.

MORUZZI, Andrea Braga.; TEBET, Gabriela Guarnieri de Campos. Instituições. In: ABRAMOWICZ, Anete. MORUZZI, Andrea Braga. O plural da infância: aportes da sociologia. São Carlos: EdUFSCAR, 2010.

OLIVERIRA, Cristiano. Um apanhado teórico-conceitual sobre a pesquisa qualitativa: tipos, técnicas e características. Travessias, UNIOSTE, Nº4, 2010.

ONU. Declaração Universal dos direitos das crianças, 1959. Disponível em:< http://www.dhnet.org.br/direitos/sip/onu/c_a/lex41.htm>. Acesso em: 15 Jun. 2016.

POSTMAN, Neil. O desaparecimento da infância. Rio de Janeiro: Graphia, 2012.

ROTTERDAM, Erasmo. De Pueris: Dos Meninos. Col. Grandes Obras do Pensamento Universal. São Paulo: Editora Escala, 1529.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Leitura em Revista

Instituto Interdisciplinar de Leitura PUC - Rio
Rua Marquês de São Vicente, 225, Gávea -
Rio de Janeiro, RJ - Brasil - 22451-900
Cx. Postal: 38097 - Telefone: (55 21) 3527-1960

© 2016 iiLer PUC-Rio Todos os direitos Reservados - Webmaster responsável : Viviane Moreira